DECLARAÇÃO DE INTENÇÕES

O que me distingue de um revolucionário, é que este quer mudar o mundo. eu não quero mudar rigorosamente nada, apenas registar a iniquidade humana.

quinta-feira, 21 de abril de 2011

A importância de votar Bloco



Perante a atual conjuntura política mundial, em que se assiste a um inaudito ataque das forças do poder financeiro que tentam impor a todo o custo as suas regras e estabelecer o seu controlo sobre a economia mundial e por inerência às economias nacionais, adaptando-se esse cenário a Portugal na forma da atual crise, assistimos a um fortalecer de posições por parte de toda a direita, da mais liberal à mais conservadora, cujo resultado é visível numa campanha de intoxicação pública mantida através dos media, acenando com o espantalho da crise, vão amedrontando o povo para de seguida o dominar como mais convier.
Vemos, impotentes, à promoção pública e descarada de uma Nova União Nacional, sob a capa do necessário "combate à crise e do interesse nacional", é-nos assim servido em doses diárias a urgência de as forças políticas responsáveis (!), leia-se PS, PSD e CDS, exatamente os promotores da crise, se unem e formem um governo de unidade nacional, composto "pelos bons portugueses, os responsáveis e credíveis" para que assim o FMI e o FEEU nos possam ajudar a sair da crise.
Esta Nova União Nacional, tem como principais promotores os banqueiros, financeiros, patrões da indústria e do comércio e é até abençoada por Sua Eminência o Cardeal Patriarca que aparece assim como um Cerejeira hodierno.
A este espírito entre o nacionalismo balofo e o missionarismo hipócrita, não falta sequer a figura patriarcal do Dr. Mário Soares, esse iminente hipócrita da nossa política e que chegado a velho, vê regressarem os fulgores juvenis da conspiração e não para de artigo em artigo, de reunião em reunião, debate em debate, de cumprir o seu papel de peão avançado do capitalismo internacional em Portugal.
A esta união nacional tripartida, presidiria o inefável Dr. Cavaco, lá do alto do seu império.
Enfim, não falta nada a esta Nova União Nacional: um Salazarito de três cabeças (t’ arrenego!), Sócrates, Coelho e Portas, um Américo Tomás de duas, Cavaco e Soares e depois, novamente e sempre a padralhada com o Cardeal Patriarca na frente. Tudo supervisionado pelos assalariados do FMI e da EU.
Perante este cenário, que será de total descalabro para as forças progressivas da sociedade, para a classe trabalhadora, enfim, para Portugal, há que contrapor com caráter de urgência uma força de resistência e de luta que signifique o contrário a todo este cenário que está a ser montado para as eleições de 5 de junho, às quais só faltam os boletins de voto pré preenchidos para termos uma chapelada à moda antiga.
Essa força é, se assim quiser desempenhar esse papel, o Bloco de Esquerda.
E é o Bloco de Esquerda porquê?
Porque, a meu ver, tem pela sua constituição o germe da força agregadora de uma esquerda desorientada e com falta de rumo e dirigentes, ainda que muitos dos seus dirigentes e militantes o não saiba ou não queira saber. Depois, pela sua composição, o Bloco é já por si, um movimento político diversificado onde confluíram pessoas de todas as origens da esquerda, do marxismo ao leninismo, passando pelo trotskismo, e que não desprezando as suas origens, já fizeram entretanto alguma da atualização necessária que essas correntes políticas e filosóficas necessitam para se adaptarem aos dias de hoje.
Nesta linha de reflexão, pode o Bloco ser ainda mais agregador da esquerda, constituir-se no elo essencial e fundamental que consiga quebrar a histórica intransigência do PCP, trazer para esta luta o PS que indubitavelmente é de esquerda mas revela tendências de governar à direita, influenciar as centrais sindicais e trazer à luta todo o povo que neste momento perde direitos, trabalho, dignidade e ainda paga os lucros dos senhores do capital financeiro.
Para que o Bloco possa ser esta força é necessário que todos os que estão descontentes com este estado de coisas votem maciçamente no Bloco a 5 de junho, só assim teremos força para combater a Nova União Nacional, os seus políticos hipócritas e suas políticas de sonegação dos direitos mais fundamentais do Homem: direito a um trabalho com direitos e estabilidade para poder viver com dignidade e livre.
Votar não chega, é necessário depois continuarmos atentos e ativos, não dar tréguas nem cedências e obrigar aqueles que elegermos a representarem de fato este papel histórico e a defenderem os nossos interesses.
De políticos hipócritas e de políticas contra os trabalhadores estamos por aqui.
Resumindo: para dizer não às políticas atuais e à Nova União Nacional, para defender os direitos sociais, os serviços públicos de qualidade, os direitos dos trabalhadores, por um trabalho com direitos, contra o neo-esclavagismo do recibo verde e do trabalho precário, é necessário e fundamental votar Bloco de Esquerda.
Por uma força agregadora das esquerdas que imponha políticas de esquerda ao governo de Portugal, voto Bloco de Esquerda.
Jaime Crespo
(aderente nº 8088, B.E. de Nisa)

terça-feira, 12 de abril de 2011

crescimento

o zezito portou-se bem, rezou a deus, comeu a sopinha toda.
cresceu.
deixou de usar sapatilhas.
tornou-se num homem elegante que veste armani.
quando se zanga pode chegar ao nível de feroz mas perante os poderosos amansa.
enfim, ele agora é o zé, pá!

segunda-feira, 11 de abril de 2011

da inutilidade eleitoral

Já, uns mais que outros, todos estávamos cientes da inutilidade do próximo ato eleitoral.
O par(a)lamento(ar) caiu por rejeição de toda a oposição da aplicação das medidas previstas no PEC 4.
Chamado à Europa, Passos Coelho (que não e Sousa), desdisse-se, desfez-se em desculpas e referiu algo como que não aprovava o PEC 4 porque queria um PEC 5 muito mais profundo....
Nós não queremos, mas a Sr.ª Merkl, o Banco Europeu, o FMI, a puta que os pariu querem, então aplica-se.
Mas nesses não votamos nós, apenas nos dão o direito a lavar o rabinho.
Em consequência, percebemos que sejam quais forem os resultados saídos das urnas o nosso destino vai ser amouxar e ser mansos.
Mas, e quanto àqueles que se irão candidatar?
Dos chamados pequenos partidos, ou aqueles que não tem assento parlamentar, não por uma questão de valor, mas por falta de tempo não os referirei.
Vamos pois aos que vão a votos à séria.
O PS, depois do êxito mediático que foi a peregrinação, deste fim de semana, à Senhora de Matosinhos, perdão, a são sótraques, onde apareceu toda a iconografia socialista, do Manuel alegre à Ana gomes, passando pelo Vitorino, o costa, o gama, o almeida santos, o (in)seguro, etc. Uma plêiade na qual apenas faltou soares, e até houve tempo para apresentar um reforço de última hora e craque a valer: Ferro Rodrigues (ninguém tenha dúvidas de que se trata de jogar forte, muito forte em Lisboa), pasme-se, até o milagre aconteceu, pois sótraques, esse santo de pau carunchoso foi visto por milhões de telespetadores com uma lágrima ao canto do olho. Depois de portas, sótraques e eis que num repente, todos os crocodilos desatam a chorar neste país.
Entrementes o que faz o PSD? Apresenta a novidade de apresentar um candidato a presidente da assembleia!!! E logo quem! O nobre, não das salsichas mas da ajuda aos pobrezinhos, aquele que ainda há 2 meses chorava baba e ranho pela independência, pela sociedade civil, jurava a pés juntos e mãos ambas que “partidos nunca!”
O senhor tem todo o direito de se candidatar e o povo de julgar e escolher, trata-se de política estúpido.
Sabemos que o nosso povo não gosta de vira casacas de última hora e também sabemos como o nosso povinho gosta pouco de mudar quem está a fazer um servicinho por outro que faça serviço igual mas porventura muito mais caro.
 Depois já imaginaram que vem aí uma campanha, vão haver entrevistas e debates. Que vai responder passos coelho (que não e Sousa) às perguntas sobre as medidas que tomará? E ele sem alternativa a responder que serão as mesmas que sótraques tomará que são aquelas que a sr.ª merkl, o banco central europeu, o fmi, a puta que os pariu quiser...
Lindo!
É verdade que algum povo tem raiva do sótraques, se isso o prejudicasse conheço muita gentinha que até era capaz de ir votar no Garcia pereira, a minha mulher continua a preferir o casal Garcia, vá-se lá compreender as damas.
Assim, deixo aqui as minhas apostas:
Miguel Ângelo - o último julgamento
O PS até poderá perder mas perderá por poucos;
O PSD pode ganhar mas não ganhará por muitos;
Dou entre 30% a 34% a cada qual;
O PP vai subir muito em votos e deputados, não sei porquê mas é o que eu acho;
O PCP, perdão, a CDU, manterá os seus fiéis da tijuca e obterá mais uma expressiva vitória para o povo trabalhador português aguentando-se, pelo menos em número de deputados;
O BE cairá para metade, em votos e deputados, é o que acontece a quem só pensa na desgraça depois de ela acontecer;
A abstenção e seus aliados brancos e nulos, apesar de muita gente os desvalorizar e dizer que não contam para nada, a verdade é que fazem mossa, e calculo que continuarão, aumentando expressivamente em número, a caminhada das presidenciais.
E pronto, está feito o meu vaticínio para umas eleições que não interessam nem ao menino jasus.
Isto, se não começar tudo à estalada e à paulada antes delas.l.

domingo, 10 de abril de 2011

falemos de nobreza

durante as últimas eleições presidenciais, muitos conhecidos da internet, alguns colegas de mester e poucos amigos, tentaram convencer-me a participar na campanha do dr. Fernando Nobre. perante a minha intransigência aos argumentos de independência, de voz da sociedade civil, de paladino contra os lóbis e a corrupção, trálalátrólaló...
insistiram, insistiram e em último desespero tentaram levar-me a votar no homem.
a primeira medida profilática que tomei foi deixar de ser sócio da AMI.
fiquei com a caixa de correio mais limpa porque a liberdade e os direitos dessa gente é de um sentido só e deixaram de me enviar e-mails.
santa paciência.
finalmente caiu a capa ao dr. nobre e o que ficou, o mais puro e descarado oportunismo político, não é nada bom de se ver...
queriam dizer-me que ele não era homem de lóbis quando vem de um dos mais influentes lóbis atuais: o lóbi da ajuda internacional, é pior que a praga dos ciganos romenos no comboio e no metro... e por pressão ou vergonha um gajo é práticamente obrigado a dar...
gostava que me esclarecessem se puderem, é suposto as malas quando partem levarem medicamentos principalmente, o que lhes fazem quando lá chegam? pelo que são trocados? as malas para cá trazem o quê?
enfim, fernando nobre, o homem independente, representante da sociedade civil, livre de lóbis, vai afinal ser candidato a deputado nas listas do PSD!
para uma maneira nova de estar e fazer política não podia continuar melhor.

sábado, 9 de abril de 2011

é disto que o meu povo gosta

em tempos de crise, conseguirmos fruta desta é um autêntico luxo.
enquanto alguns se entretem lambendo os tomates ao seu querido líder, eu prefiro lamber um cú assim, se bem que consistentes dúvidas me atormentam se alguma vez ele será p'ra mim...

rosa murcha

ao contrário do que era sua intensão, o congresso do partido socialista, apesar dos discursos inflamados e estrebuchantes, o que de fato mostrou ao povo foi uma rosa murcha, à qual não faltaram as suas pétalas pútridas: Gama, Alegre, Almeida Santos, Vitorino...
assim não vamos lá...

quinta-feira, 7 de abril de 2011

desconfiança

a base fulcaral da democracia participativa é a confiança que os eleitores depositam nos seus eleitos. e os segundos aprontam-se a prestar qualquer exclarecimento que lhe seja colocado por um "seu" eleitor uma pessoa que vota na seu círculo eleitoral. desde logo e desde sempre, este princípio foi violado ao colocarem-se figuras nacionais à frente de círculos eleitorais por elas desconhecidos ee em sentido inverso, os trqansmontanos ou alentejanos que realmente concorriam e eram eleitos pelos seus círculos, estavam apenas a dar o salto para a capital, para mais altos voos: secretário de estado, quiçá ministro.
assim, chegámos pela terceira vez a esta situação pútrida: os fundos do Estqado valem pouco menos que lixo.
Frida Kahlo - Tree of Hope
não se fique com a ideia que tudo se deveu ao escrito atrás, não, entraram em jogo as forças da globalização e da especulação financeira que ao encontrarem pela frente uma seara de homens e mulheres com uma ambição apenas medida pelo tamanho dos seus egos e sem qualquer cultura de ligaç~qao a quem os elegeu e de muito menos lhes prestarem contas, abriu lugar a toda a espécie de ambições à solta e ao país na bancarrota.
Situação: entre o povo comum (classe média e baixa e os atuais políticos: do CDS/PP até ao Bloco de Esquerda, levando de raspão aqueles que nem assento tem na Assembleia, estamos perante o maior descrédito e fosso entre políticos e povo.
não me adimiria nada que nas próximas eleições se bata o recorde de abstenção. serviria isso ao menos para alguma coisa? nada: eles estão-se verdadeiramente a cagar para o povo.
aguardo ansiosamente o momento em que o povo também se cague neles e corra com esta gentalha a calduços e pontapé, do Portas ao LKouçã: todos uma cãobada!