DECLARAÇÃO DE INTENÇÕES

O que me distingue de um revolucionário, é que este quer mudar o mundo. eu não quero mudar rigorosamente nada, apenas registar a iniquidade humana.

terça-feira, 17 de julho de 2012


segundo ouvi dizer, o impagável (no sentido literal do termo) albert john garden, líder madeirense, ontem, no decorrer de uma das muitas festas que se fazem em sua honra e glória naquele arquipélago, ía falecendo vítima de um incómodo engasganço. quem o terá salvo foi um bombeiro que por ali estava.

prendam esse bombeiro já! o homem é um potencial psicopata que gosta de ver atear incêndios. mas o que é que você anda a fazer nesta vida, seu bombeiro? olhe que quem distribui as medalhas no 10 de junho é o senhor silva, não o pentedoutor albérte joã. está bem, o segundo é que lhe dá p'ró tacho mas o país tinha-lhe ficado eternamente agradecido se atrasasse o seu dever por uns minutos, no mínimo devia ter telefonado ao seu superior, ao inem, ao saúde 24 a pedir instruções. olha lá o emplastro :)

jaime crespo


o Dr. Estafermo

atirar trampa à parede (ao povo) e limpar à camisa (branca, branquinha) e à gravata.



D. Januário Torgal, bispo das Forças Armadas e Segurança, tem vindo, com as posições frontalmente assumidas, a revelar-se o Homem que a oposição de esquerda deveria ter e não tem. os discursos inflamados de Loução ou Jerónimo e dos dirigentes sindicais, depois de esvaziados da inflamação mais não são que futilidades.
nem vem ao caso falar do fosquinhas do Seguro que há-de morrer de velho mas sem nada que lhe marque o caminho; como aqueles idosos que vivem até para lá dos 100 mas sem comer em excesso, sem beber, sem fumar e... sem foder.
muito bem, anteontem, uma vez mais, D. Januário colocou o dedo na ferida e disse com todas as letras "este é um governo de corruptos"!
perante isto, o que fez o governo? encomendou o sermão ao ministro Branquinho, que belo nome para a ocasião, branquinho, branquear, o omo lava mais branco...
Ora a um político exigem-se-lhe respostas políticas. cabia ao branquinho, quanto a mim perante o teor da acusação feita pelo bispo a resposta inequívoca teria que ser dada pelo próprio 1º ministro e não podia ser dúbia, teria que esclarecer e convencer o povo português que o bispo se havia excedido e que afinal este governo é composto por pessoas sérias, para lá de qualquer dúvida.
à mulher de César não basta ser séria, tem também que o parecer.
que resposta veio branquinho dar ao povo? a resposta que qualquer advogadozeco de meia tigela teria dado sobre qualquer acusação feita a um seu cliente, alegou a presunção de inocência e remeteu para o Bispo o ónus da prova.
seria assim, branquinho teria razão caso o Bispo se estivesse a referir a qualquer cidadão, ora o Bispo referiu-se aos ministros da nação e a resposta dada por branquinho mais não foi do que atirar trampa aos olhos do povo e limpar-se à sua impecável camisa branca.
enquanto isto, o povo e o país vão-se afundando na merda que os seus governantes, dirigentes políticos e sindicais vão fazendo.
Valha-nos o bispo das Forças Armadas e Segurança, D. Januário Torgal.




jaime crespo

sexta-feira, 6 de julho de 2012

Decidir pela encrenca



Ou melhor dizendo, fazer que decide e decidir pior que o não fazer, foi o que fez o Tribunal Constitucional ao emitir, mais de um ano depois!!!, parecer sobre os cortes salariais aos funcionários públicos.
Alegam os juízes constitucionais o ferimento do preceito constitucional da igualdade, esses cortes, ao atingirem apenas os funcionários públicos discriminaram-nos negativamente em relação aos empregados das empresas privadas.
Este parecer, logo abriu a porta para que os troikistas, com o economista João Duque a ponta de lança, viessem defender que assim sendo, respeitando a Constituição e o famigerado princípio da igualdade, então o que o governo deve fazer é estender os cortes também ao setor privado. Cortar sempre à custa dos rendimentos de quem trabalha...
Para não enviesar pelo caminho que está a ser seguido e é quanto a mim a completa perversão, da letra e do espírito do preceito constitucional que enforma o princípio da igualdade, o que está aqui em causa é um roubo descarado no rendimento dos trabalhadores, os trabalhadores assinam um contrado com a entidade patronal, seja ela pública ou privada, para sobre o seu trabalho produzido ao longo de um ano serem pagos 14 vezes sobre dada remuneração. É este roubo que está em caus e não qualquer princípio de igualdade. Ao defender o que agora os troikistas defendem será algo do género de obrigar um ladrão a assaltar todas as pessoas e não apenas duas ou três de modo a que toda a gente tivesse sido assaltada.
Um jurista amigo meu, defende assanhadamente o parecer dos juízes constitucionais, alegando que perante a letra da Constituição, eles não poderiam ter decidido de outra forma. Pode ser que sim, não tenho formação jurídica, mas sei que numa democracia quando o povo deixa de entender as suas leis e as medidas de quem o governa, muda-se de leis e de governantes. 
Na Europa parece quererem mudar de povo, a isso chama-se ditadura, isso é o totalitarismo a entrar-nos pela porta das traseiras e sem o consentimento do dono da casa: o Povo.
jaime crespo

segunda-feira, 2 de julho de 2012

emagrecimento repentino

Foto: emagrecimento: nem tudo são desvantagens nesta situação. retirando-se o fato e esquecendo a bateria de exames que os médicos prescrevem com vista a descobrirem para onde está a ir a massa, neste caso a minha) adiposa, de toda a situação advém uma vantagem inestimável. vejamos, há uns bons dez anos que não via a gaita e agora já lhe vejo a cabecinha, isto é mais uma semana e já vejo a gaita toda... depois já posso morrer que morro feliz a ver a gaita tocar <;)

emagrecimento: nem tudo são desvantagens nesta situação. retirando-se o fato e esquecendo a bateria de exames que os médicos prescrevem com vista a descobrirem para onde está a ir a massa, neste caso a minha) adiposa, de toda a situação advém uma vantagem inestimável. vejamos, há uns bons dez anos que não via a gaita e agora já lhe vejo a cabecinha, isto é mais uma semana e já vejo a gaita toda... depois já posso morrer que morro feliz a ver a gaita tocar <;)
jaime crespo

partido comunista português


partido comunista português:
podem crer, companheir@s que não sofro de espécie alguma de fobia para com o pcp, eles (pcp) é que parece padecerem de fobia aos anarquistas e à insubmissão a toda e qualquer espécie de poder que eles representam.
não tenho dúvidas que tal como na rússia de 1917, também serão os anarquistas as primeiras vítimas de uma hipotática tomada do poder pelo pcp. é que ao contrário do que eles advogam, não são a vanguarda politizada dos trabalhadores mas sim a guarda avançada da burguesia económico-financeira. e é esta verdade incómoda e que nós denunciamos que tanto os incomoda.

anarquista anonymous