DECLARAÇÃO DE INTENÇÕES

O que me distingue de um revolucionário, é que este quer mudar o mundo. eu não quero mudar rigorosamente nada, apenas registar a iniquidade humana.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Niñas y Niños soldados en Venezuela febrero 14, 2012

 

in: http://rafaeluzcategui.wordpress.com/
 
Columna de Provea en Correo del Caroní redactada por Rafael Uzcátegui
Según datos de Unicef actualmente existen más de 30.000 Niños, Niñas y Adolescentes (NNA) vinculados a grupos armados alrededor del mundo y 54 grupos armados estatales y no estatales que cometen graves violaciones en contra de ellos. Esto ha motivado la promulgación de normas a nivel internacional dirigidas a proteger a las personas menores de 18 años de tales situaciones y formular recomendaciones a los Estados para ofrecer respuestas efectivas que prevengan la ocurrencia de estos hechos. Por ejemplo, en el plano internacional se destacan algunos tratados como la Convención de los Derechos del Niño y sus protocolos facultativos relativos a la participación de infantes en los conflictos armados,  a la venta de niños, la prostitución infantil y la utilización de estos en la pornografía, creados por el Comité de los Derechos del Niño  que establecen prohibiciones y obligaciones de los Estados para prevenir y atender las diversas situaciones a las que están expuestos. Venezuela ratificó en el 2003 el Protocolo Facultativo de la Convención de los Derechos del Niño y, asimismo, ratificó otros tratados que impiden la incorporación de NNA a grupos armados. Algunos de estos son los Protocolos Adicionales de los Convenios de Ginebra, Estatuto de Roma de la Corte Penal Internacional, Convenios 138 y 182 de la OIT.
Sin embargo, a pesar de lo anterior, en los últimos años se han repetido las denuncias que afirman que en Venezuela menores de 18 años han sido incorporados a diferentes organizaciones armadas. Grupos religiosos y organizaciones de derechos humanos que trabajan en zonas de frontera han señalado que en diferentes poblados del país existe reclutamiento forzoso de NNA. En el año 2007 el Informe “Conflicto Armado en Colombia. Fronteras: La infancia en el límite”, elaborado por la Coalición para Detener el Uso de Niños Soldados afirmó: “En abril de 2005, investigadores de la coalición regional para acabar con la utilización de niños y niñas como soldados recogieron testimonios de varios casos de vinculación y reclutamiento de niños venezolanos de 12 a 18 años por parte de grupos armados de oposición colombianos”. Además “Las denuncias indican que las Fuerzas Bolivarianas de Liberación tienen prácticas de reclutamiento de menores de 18 años muy agresivas, incluyendo el reclutamiento de menores de 12 años (…) Un sacerdote de Guasdualito denunció dos casos de reclutamiento, uno de un joven de 16 ó 17 años de edad y otro de un niño de 12 ó 13, por las FBL.  Sergio, de 16 años de edad, contó que las FBL habían intentado llevarse un amigo suyo de 17 años: “eso fue hace un mes que pasó.  No se fue con ellos.  Huyó, pues”. El informe, que debería haber generado la alerta tanto de las autoridades como de toda la sociedad finaliza: “Los niños, niñas y jóvenes vinculados a los grupos armados que tienen presencia en la zona son entrenados y empleados como combatientes, entre otras tareas, incluyendo el reclutamiento de  personas de edades similares a la suya en centros educativos”. Similares denuncias se registran para organizaciones paramilitares como las Águilas Negras colombianas, aunque muchos de los señalamientos afirman que los menores de edad son utilizados para la realización de delitos comunes.
Esta situación, que se mantiene hasta el día de hoy, es invisibilizada por una serie de razones. Entre ellas, el miedo y la fuerte influencia de los grupos armados en la zona. Por su parte, las organizaciones sociales que trabajan con desplazados y comunidades rurales de frontera, optan por el cabildeo institucional y la diplomacia antes que una denuncia pública que pueda poner en peligro la vida tanto de sus beneficiarios y beneficiarias como a sus propios integrantes.
Si bien la difusión de las imágenes de las niñas y niños armados en una parroquia del oeste de Caracas ha puesto el tema en la opinión pública, las situaciones graves -de las que no se están hablando- ocurren a kilómetros de ahí. En el caso caraqueño es una secuela del fetichismo de la insurgencia armada, convertida en ideología de Estado, como lo demuestran otras fotografías anteriores, en las que un grupo de niños, niñas y adolescentes, vestidos de guerrilleritos, eran juramentados  por Jacqueline Faría, jefa de gobierno del Distrito Capital, para repetir y difundir mensajes de propaganda institucional. También, es un daño colateral de la tolerancia, cuando no apoyo, gubernamental con grupos irregulares y paramilitares.
Un reto sin asumir por la Comisión Presidencial para el Control de Armas, Municiones y Desarme es, precisamente, la fiscalización de estos grupos, los cuales dicen identificarse con el presidente Chávez, a diferencia del resto del mundo en donde los grupos armados insurgen en contra del gobierno establecido. La Comisión, para emitir un mensaje de confianza a la población sobre sus intenciones, debe establecer con claridad cuáles serán las políticas hacia estas organizaciones. Solo así las imágenes de niñas y niños soldados venezolanos pasarán a ser historia.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Portugal, S.A.

 

Portugal, S.A., filme do realizador Ruy Guerra, produzido por Tino Navarro, é um bom filme, no contexto cinematográfico português e mesmo num contexto mais vasto.
falo dele hoje, porque as atuais condições político-económicas e sociais, dele me recordaram.
não me vou alongar muito, não sou crítico de cinema, nem a isso tenho pretensões, mas apenas quero referir que sendo um filme, obra de ficção, ensina-nos mais em noventa minutos sobre a situação atualmente vivida e o percurso percorrido para aqui chegarmos, que quinze dias seguidos a assistir aos telejornais e dos comentários de toda a doutorice nacional. politóloga, económica, financeira, sociológica, da pata que os pôs.
jaime crespo





segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

libertemo-nos dos prazeres pequeno-burgueses

houve há tempos, um movimento de protesto que propunha que fossemos em massa aos bancos em que temos contas e levantássemos todo o nosso dinheiro. não aderi porque em meu julgamento era um ato falhado. porquê? porque teríamos que pagar as nossas contas e mais cedo ou mais tarde, todo esse dinheiro regressaria ao banco mas em outro nome.
reflectindo, uma acção que provocaria abalo no mundo financeiro seria a de nos libertarmos de todos os serviços supérfluos, bem sei que causaria transtorno nas nossas confortáveis vidas pequeno burguesas. mas ousássemos prescindir dos carregamentos dos telemóveis, da televisão por cabo, dos serviços pagos de Internet e outros que tais e veriam como os galitos da finança outro cacarejar sobre as políticas de austeridade cantariam...

jaime crespo

domingo, 5 de fevereiro de 2012

Um domingo vendo blogues e lendo comentários



Pelos blogues anda muita gente que sentada nos seus tachinhos que lhes concedem um relativo desafogo financeiro e razoável seguro de vida, vão para lá papaguear contra os direitos que a muito custo dos nossos antepassados, os trabalhadores por conta de outrem, conseguiram obter, e resolveram chamar-lhes de privilégios.
outros, vestem o fato de coitadinhos e choram-se, sou trabalhador por conta própria e não tenho privilégios de ter emprego para a vida nem sequer posso fazer greve. então, ao invés de lutarem por conquistar os seus direitos, comprazem-se em ofender quem defende os seus.
de tudo tem opinião, não opinando coisa nenhuma, a não ser a demonstração da sua ignorância na maioria das matérias que pretendem comentar.
 têm uma ideia errada do que é uma greve e do que deve ser o sindicalismo. vejam os filmes "sal da terra", ou "há lodo no cais", também pode ver o "FIST", instruam-se um bocadinho, mal não lhes vai fazer.
outra ideia peregrina que vai aparecendo é: há muitos desempregados e aqueles que tem o privilégio de ter emprego ainda fazem greves para prejudicarem os desempregados. parece que defendem que devíamos todos ser desempregados e fossar uns contra os outros, quando a carrinha do empregador chegasse ao largo do terreiro, pelo alvorecer. Tantos que têm tantas saudades desses tempos e que já se vai voltando a ver em alguns locais, especialmente com trabalhadores imigrantes.
O que preocupa esta gente, não é a possibilidade dos trabalhadores fazerem greve, ou como atuam os dirigentes sindicais que eles denigrem, o que os preocupa é que mais cedo ou mais tarde os trabalhadores se organizem de facto e que se façam representar por dirigentes que realmente os representem, daí o prevenir lançando a lama sobre o existente prevenindo males futuros maiores.
mas o essencial e o que causa coceira a todos estes liberais de meia tigela é mesmo a garantia de trabalho, para eles o trabalhador deve estar sob constante ameaça, ou chantagem, de poder ser despedido pois só assim se torna produtivo. noutros tempos funcionou o chicote. não, meus caros, vocês não querem trabalhadores produtivos, pois sabem muito bem que a estabilidade emocional contribui muito mais para o aumento da produção, bem como a especialização, a prática, a experiência que só se adquirem com as rotinas e os anos de serviço. o que vós quereis ao lançar a precariedade no mundo do trabalho, é controlar os trabalhadores pelo medo e torná-los seres submissos e alienados, pois quanto ao aumento da produção, desculpem qualquer coisinha, estai-vos a foder.
o público é mau? experimentem o privado. já o podem fazer em duas áreas fundamentais: a saúde e a educação, não tenho dúvidas que serão melhor atendidos no privado, mas recordem-se que até a simpatia, forçada, da menina que vos atende, é paga.
a estabilidade do e no emprego é péssima? experimentem a precariedade, ou instabilidade, mas experimentem vocês, não as queiram impor aos outros.
dado postador, atribui-se a gentileza de oferecer uma enxada aos citadinos que se queixam do aumento dos preços dos transportes na cidade e que com essa enxada vão para o campo, presumo que cavar a terra de que ele será proprietário, e de preferência sem direitos, e nada de pensarem que se trata de um emprego para a vida. Mas para quê oferecer o que não tem? teria que ir às pressas a uma loja de ferragens comprar uma, se houvesse. é bom mandar, pior obedecer e mau mesmo é dar o exemplo. porque não pega na sua enxada e vai para o campo? seria uma risota quando cá chegasse, é que enxadas, hoje, quase só nos museus, já se usam máquinas.
muitos se insurgem contra os transportes públicos, na generalidade, são contra tudo o que é público, a moda é privatizar. isso é que está a dar. é fácil, experimentem os serviços privados, mas aqueles que não são subsidiados pelo estado, porque com subsídios do estado que cobrem o prejuízo, eu também quero ser empresário.
depois,  vão rebuscar políticas ultrapassadas que já ninguém na esquerda defende (falam da china, da coreia do norte, de cuba, etc. e de outras realidades que conhecem apenas da cnn, fox, ou outra), assim, enquanto a esquerda se atualiza, parece que a direita regrediu uns séculos, só já me falta vê-los a defender o retorno do "direito de pernada", mas lá virá o tempo.
por muito que vos custe: a luta continua e não passarão!
bom domingo

jaime crespo

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

roubo por esticão

as coisas atingiram um nível tal que falar de cortes salariais, aumento de impostos e de custo de vida, baixa drástica nos rendimentos, a pobreza a espreitar à porta de todos nós; as coisas passaram a um patamar superior de iniquidade. 
cortes cegos na saúde e na educação, levam os dirigentes destes serviços a tentar sacar dinheiro onde se julga que ele já não existe.
a minha filha, frequentou no ano transato, a universidade de évora, tendo no defeso, através de concurso público e divulgado na internet, conseguido transferir-se para a universidade técnica de lisboa.
foi ontem informada pelos serviços administrativos desta última universidade que a requerimento seu, a sua congénere eborense havia recusado enviar-lhe o processo da minha filha, alegando que por falta de preenchimento e entrega do requerimento b.a.r.d.a.m.e.r.d.a. informando a instituição da sua transferência e como as matrículas são processadas informática e automaticamente, então só enviarão o processo quendo a minha filha pagar 500€ referentes a propinas do 1º semestre e multa por não terem sido pagas dentro do prazo estabelecido.
todo este arrazoado da universidade eborense até pode estar formal e legalmente correto, mas caramba, em 6 meses não tiveram tempo de avisar a estudante do incumprimento? não foi o procewsso de transferência um processo público e transparente? como alegam desconhecimento da transferência, por não lhes competir consultar os concursos relativos a transferências e publicados na internet, o mesmo pode alegar a estudante de falta de informação da universidade em relação aos processos de transferência.
o caso é que uns continuam impunemente nos seus bem remunerados cargos, os outros são espoliados dos seus parcos rendimentos e pagam toda a crise.
a isto chama-se roubo.
e apetece-me dizer: vão roubar prá puta que vos pariu!
jaime crespo